quarta-feira, 25 de maio de 2016

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Me, myself & my poppies






Não sou fã de flores. Mas adoro papoilas. 
Gosto muito de artesanato. Gosto ainda mais das artesãs da minha terra.
E a Rosarinho fez-me estas lindas papoilas em barro. E este bouquet foi meu durante 1 dia. E depois... dei-o à minha querida Cindy... que vai amá-lo como eu e lembrar do dia em que eu caminhei descalça na areia... com as minhas papoilas <3


segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Eu e tu somos esse vento

Escuta, Amor


Quando damos as mãos, somos um barco feito de oceano, a agitar-se sobre as ondas, mas ancorado ao oceano pelo próprio oceano. Pode estar toda a espécie de tempo, o céu pode estar limpo, verão e vozes de crianças, o céu pode segurar nuvens e chumbo, nevoeiro ou madrugada, pode ser de noite, mas, sempre que damos as mãos, transformamo-nos na mesma matéria do mundo. Se preferires uma imagem da terra, somos árvores velhas, os ramos a crescerem muito lentamente, a madeira viva, a seiva. Para as árvores, a terra faz todo o sentido. De certeza que as árvores acreditam que são feitas de terra. 

Por isto e por mais do que isto, tu estás aí e eu, aqui, também estou aí. Existimos no mesmo sítio sem esforço. Aquilo que somos mistura-se. Os nossos corpos só podem ser vistos pelos nossos olhos. Os outros olham para os nossos corpos com a mesma falta de verdade com que os espelhos nos reflectem. Tu és aquilo que sei sobre a ternura. Tu és tudo aquilo que sei. Mesmo quando não estavas lá, mesmo quando eu não estava lá, aprendíamos o suficiente para o instante em que nos encontrámos. 

Aquilo que existe dentro de mim e dentro de ti, existe também à nossa volta quando estamos juntos. E agora estamos sempre juntos. O meu rosto e o teu rosto, fotografados imperfeitamente, são moldados pelas noites metafóricas e pelas manhãs metafóricas. Talvez outras pessoas chamem entendimento a essa certeza, mas eu e tu não sabemos se existem outras pessoas no mundo. Eu e tu declarámos o fim de todas as fronteiras e inseparámo-nos. Agora, somos uma única rocha, uma única montanha, somos uma gota que cai eternamente do céu, somos um fruto, somos uma casa, um mundo completo. Existem guerras dentro do nosso corpo, existem séculos e dinastias, existe toda uma história que pode ser contada sob múltiplas perspectivas, analisada e narrada em volumes de bibliotecas infinitas. Existem expedições arqueológicas dentro do nosso corpo, procuram e encontram restos de civilizações antigas, pirâmides de faraós, cidades inteiras cobertas pela lava de vulcões extintos. Existem aviões que levantam voo e aterram nos aeroportos interiores do nosso corpo, populações que emigram, êxodos de multidões famintas. E existem momentos despercebidos, uma criança que nasce, um velho que morre. Dentro de nós, existe tudo aquilo que existe em simultâneo em todas as partes. 

Questiono os gestos mais simples, escrever este texto, tentar dizer aquilo que foge às palavras e que, no entanto, precisa delas para existir com a forma de palavras. Mas eu questiono, pergunto-me, será que são necessárias as palavras? Eu sei que entendes o que não sei dizer. Repito: eu sei que entendes o que não sei dizer. Essa certeza é feita de vento. Eu e tu somos esse vento. Não apenas um pedaço do vento dentro do vento, somos o vento todo. 
    Escuta, 
    ouve. 
    Amor. 
    Amor. 

José Luís Peixoto, in 'Abraço' 

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Old times


Um som de outros tempos. De quando esperava fervorosamente um álbum, um single.
Sons bons que nos trazem boas coisas à memória. 


segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

The Eye of the Tiger

Fui para o boxe.
Sim. Fui para o boxe.
Não fui para um ginásio. Fui para uma academia de desportos de combate.
Eu e a Mafalda.
Sentimo-nos uns Rockys.
Daqui uns meses... seremos Rockys :)


sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

33

Adoro fazer anos. Sempre adorei. Adoro que seja o "meu" dia. Que seja mimada por todos e sobretudo que seja um dia (ou vários) de celebrações com quem mais gosto! 
Este ano tirei o dia (e mais outro) e decidi ir com o marido para o Alentejo gozar ainda uma prenda de casamento.
Acordei no dia 7 de Janeiro com 33 anos e ainda com... uma faringite, com herpes labial e ainda me apareceu o período (borbulhas e cólicas e pernas pesadas...).
Mesmo assim foi um dia cheio de amor e mimos com as pessoas que bem me conhecem bem.
Sou muito grata por tudo o que sou e por todo o amor que me dão.
Parabéns a mim.




quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

2015 - a special one ❤

12 meses.
52 semanas.
365 dias.
8760 horas.
525600 minutos.
31536000 segundos.

Que ano incrível!

Ficou marcado pelo melhor. Pelo nosso casamento. Por o amor que jurámos um ao outro para o resto da vida. E foi o dia mais perfeito e simples de sempre.

Foi o ano em que descobrimos a "Terra dos Sonhos" e permitimo-nos viver a vida sem tempo sem pressão. Vivemos verdadeiramente "a simple life".

Foi um ano em que a minha MP casou. E jurou amor eterno ao amor da sua vida. O ano em que se provou que o amor não tem barreiras e distâncias. E é um privilégio partilhar este amor.

Foi o ano em que os meus pais voltaram para "casa" e decidiram estar ainda mais perto de nós. E voltaram com 2 manos caninos e agora a família é ainda mais completa com o Bob e o Eddie.

Foi o ano em que a minha mana viveu o seu lindo amor com o meu querido amigo. E que amor bom ❤

Foi o ano em que nasceu o Tomás, a Nicole, a Matilde e a Constança. E o amor multiplicou - se.

Foi o ano que os meus "bros" encontram as suas "soulmates" e sendo mais ou menos "casamenteira" só quero que sejam muito felizes!!!

Foi um ano de união e de família. Foi muito bom ver os nossos sobrinhos crescerem este ano.

Foi um ano de libertação. De largar as "amarras" que prendiam a minha vida e viver mais perto de quem nos quer bem verdadeiramente. Foi o ano em que "vi" os meus verdadeiros amigos [e eles sabem quem são].

Foi o ano em que fiz umas coisas bem loucas: saltei de um avião [pela 3 vez], tatuei o braço [e fiz a meia manga], tatuei o amigo Baldini [contribui para um traço], fiz BTT no Cabo Espichel [a 1a vez no mato], conduzi uma empilhadora [LOL], fiz o meu 1° vinho [e que colheita], fomos dançar tango [outra vez e correu bem!]

Foi o ano em que ficou a faltar: tirar mais fotos, ter mais tempo, ser mais activa, ler mais, escrever mais no blog.

Para 2016...

... ser ainda mais feliz...
Saúde - Paz - Amor


O resto... encontra - se e faz - se pelo caminho.
Sejam tão ou mais felizes que eu... vou continuar a apostar nisso ❤



Ocorreu um erro neste dispositivo